quarta-feira, 1 de abril de 2009

não a vida alugada à vida.
sim esta mágica
dada
a dourar
o pano simples das coisas

soltar os talheres do medo:
a carne da vida
toma-se à mão
-nuas uma e outra,

ou mais real será
o espantalho que a lavoura.

(in Trapézio e outros movimentos, 1994)

Um comentário:

  1. Poema que vai além da poemática e se abre para o universal.
    A forma a serviço do sensível, da emoção.
    Belo.

    ResponderExcluir

Escreva aqui na parede seu comentário. Venho ler depois.Obrigada.

Divulgue seu blog!
Informe o código: 956
Faça pontos, ganhe brindes