domingo, 11 de outubro de 2009

Dia da Criança


meninos de rua
sabem coisas
que os de casa
não, talvez

não ganham brinquedos
apenas tem asa

e menos medos

7 comentários:

  1. Via de regra, estão sempre rindo. Mas não façamos uma apologia à miséria feliz...

    ResponderExcluir
  2. Claro que não, Bardo... Mas linguagem é assim, deixa dubiedades. Quis me referir às brincadeiras 'de risco', que essas crianças não temem: saltam, sobem em árvores altas, voam de lá... Enquanto esses das imagens faziam acrobacias no ar, um outro menino, que passeava de bicicleta, parou e ficou observando. Perguntei se não queria ir brincar com os outros. Ele disse que tinha medo. Mas isso ficou embutido. E tem o 'mas', que sugere compensação. Como ocorreu com você... Em todo caso, pra não dizer de novo 'mas', valeu a observação. Obrigada!

    ResponderExcluir
  3. pois é, Nivaldete e Bar do Bardo, mas...

    ainda bem que ninguém pode ter tudo, não é?

    e ainda bem que ninguém pode não ter nada...

    ResponderExcluir
  4. E ninguém tem tudo mesmo, Almariada, concordo.Até porque o desejo de MAIS o impede. Ou a insatisfação com o que se tem. Os sábios, os que atingiram o Zen, estes talvez tenham (quase) tudo, sem ter nada (de material). Afinal de contas, usufrui-se de algumas coisas. Apenas. Talvez nem o espírito nos pertença. Talvez seja um empréstimo... E vou parando por aqui, senão o devaneio se derrama pela noite...

    ResponderExcluir
  5. devaneia Nivaldete, devaneia... ;)
    estava a gostar...
    um grande abraço!

    ResponderExcluir
  6. ...então mais um pouco de devaneio (com todos os perigos): os que atingiram o estado Zen são um caso à parte (estes já não saberiam possuir coisa alguma). Fora isso,resta o constrangimento de saber que há milhões de pessoas em estado de miséria material, por este planeta afora. Bom seria que todos tivessem moradia, arte,alimento, educação, ganha-pão. Mas o modelo de gestão econômica do mundo gera a perversidade/perversão do ter-cada-vez-mais, por uns poucos: outra forma de miséria. Os que vivem em função de multiplicar fortunas não possuem: são possuídos. E não possuem ainda porque não se pode possuir aquilo que, para ser possuído, exige a proteção da lei. Só se possui de verdade o que não pode ser tirado, o que não exige assinatura... Assim, esta postagem deve não ser minha de verdade, pois leva meu nome!
    Ufa!... Mas "pensar é pensar contra si", falou Cioran. Então essa idéia não será de Cioran!?
    O devaneio se derramou pela noite......... rsssss..... Um abraço do cosmo que, para isso, me usa!

    ResponderExcluir
  7. "Tuitando" com arte e competência. Belo!
    Mesmo na miséria e na probreza podemos ver o belo - isto é que importa.

    ResponderExcluir

Escreva aqui na parede seu comentário. Venho ler depois.Obrigada.

Divulgue seu blog!
Informe o código: 956
Faça pontos, ganhe brindes