quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

alfenim é inocente de nascença


-...pois, como ia dizendo, não tem mais a quem se vender alfenim... eu vivia disso, fazia de todo modelo: boneco, passarinho, flor, cachimbo, anjinho..., até diabim..., mas aí ninguém quis mais saber, nem o povo da feira do Alecrim, aqui em Natal... depois disseram que eu tinha de abrir uma firma de pessoa jurídica e fazer alfenim em grande quantidade, com rótulo no saquinho e o nome dos ingredientes, dizendo se tinha gordura trans e colesterol.... e que precisava de um tal de químico pra atestar e de registro na secretaria de saúde... então: eu vendia como pessoa física, depois tinha de ser como pessoa jurídica... mas... misturar alfenim com lei?!..., lei é pra quem precisa, alfenim é inocente de nascença... pois sabe?... virei pessoa psica e injuriada..., sem precisar de burocracia.

e saiu cantando ao vento:

alfenim é alfenim...
alfenim é biscoito com alma...
almafenim...
alfemeninim...
alfeninho de magia de se comer...
alfenim é alfenim...

o engraxate-que-virou-pensador-das-calçadas seguiu-a com os olhos. Quando ela ia longe, ele disse ao poste onde estava recostado:

é assim... tudo passa..., até o gosto pelo alfenim...
_________

"O Empadão Goiano e o doce Alfenim, ambos contextualizados na Cidade de Goiás, serão decretados, em breve, patrimônio imaterial do Brasil. Eles vão ser incluídos no Livro dos Saberes do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que registra conhecimentos e modos de fazer tradicionais e coletivos.

O Alfenim é um doce de origem árabe, chegou ao Brasil com os portugueses e, hoje, é feito em raros locais, um deles a Cidade de Goiás. A massa alvíssima - de açúcar, água, limão e polvilho - é transformada pelas doceiras em pequenas esculturas em forma de flores, pássaros, peixes e chapéus. Só mulheres fabricam a guloseima e, ainda assim, segundo a tradição, exclusivamente aquelas que têm "dedos de fada".

Fonte (informação e imagem): www.altiplano.com.br/Assunta5.html

4 comentários:

  1. Pois é, e assim se extingue o alfenim, junto com o negócio pequeninim. Muito bem lembrado. Bjs

    ResponderExcluir
  2. Alfenim pra você... Mando buscar em Goiás. Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Delícia de texto, Nivaldete. Deu água na boca. Longa vida ao alfenim e a todos nós. Abs.

    ResponderExcluir
  4. Sim, a todos nós. E alfenim pra você também... Penso ir à feira do Alecrim à cata deles. o alfenim e o cavaco chinês são duas guloseimas muito especiais. E parece que estamos esquecendo os dois... Um abraço, querido.

    ResponderExcluir

Escreva aqui na parede seu comentário. Venho ler depois.Obrigada.

Divulgue seu blog!
Informe o código: 956
Faça pontos, ganhe brindes