terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

de gato




Internet é assim: a gente lê um texto ali (blog de Tetê Bezerra) e tem vontade de escrever aqui... No caso, sobre gatos.

Tive uma gata branca, muito branca. Uma noite, ela acendeu! Verdade: ficou fosforescente... Até hoje não entendo como, mas a imagem ficou na lembrança.

Outro gato costumava 'reger' músicas 'clássicas', que eu punha pra tocar. Deitava-se no chão da sala, fechava os olhos e... regia com o rabo.

Em casa, hoje, vivem dois bichanos: Pat, o mais velho, assim se chama em honra do guitarrista Pat Methene. Este é oficialmente do meu filho mais moço, que o batizou.
O outro, chegado por último, recebu o nome de Petit Pat, mas o chamamos só de Petit.
Pat faz o tipo sábio oriental. Enquanto Petit avança na sua tigelinha de comida, ele espera pacientemente, e até cheira a cabeça do irmão guloso. É também curandeiro: quando pressente que estou deitada porque não me sinto lá muito bem, ele se insinua devagar, até que se acomoda sobre a região próxima do meu coração. Penso sempre que está me passando energia, quando sinto a vibração do seu ronronado, feito um motorzinho de saúde...
E costuma recusar o alimento, quando não sou eu que o ponho lá...

Verdade é que gatos tem individualidade, à semelhança das pessoas (pelo menos das que não perderam a sua em troca da máscara social).
Nem todos são meros interesseiros.
Gatos são educadores também. Pois Pat não ensina paciência e tolerância?...
E ainda guarda a porta fechada do meu quarto, quando o calor me obriga a ligar o split.

E ainda me cura...

-----
Imagens: Pat. Pat (mal) pintado por mim.

15 comentários:

  1. Sou 'proprietario' de um... ou ele é da gente... Romeo o nome dele... siamês... e como todo gato pensa que é gente... :P

    ResponderExcluir
  2. Adorei a descrição de Pat e Petit... vivo falando no Fellini lá no Bicho, porque eu aprendo muito com ele sobre minha humanidade. Concordo com você, os gatos, assim como algumas pessoas que ainda náo se renderam, guardam peculiaridades, características que os tornam singulares. O meu é meigo, doce até doer. Tem uma grande paciência conosco e só fica magoado quando saímos de casa. Nossa! Fica "de mal" uma meia-hora...
    Bom, e já que eu falei tanto dele, a foto que a Tetê ilustra a crônica, é do Fellini!!! legal né? Um beijo grande nesse seu coração energizado. S.

    ResponderExcluir
  3. Nini,

    puxa, inacreditável! Eu não creio em gatos, mas...

    ResponderExcluir
  4. Lindo o texto,só podia vir de vc,uma pessoa sensível que tão bem exprimiu o universo afetivo que cerca esses animalzinhos iluminados que nos fazem seres humanos melhores do que somos.Vou postar no meu blog,merece.

    ResponderExcluir
  5. Os animais têm mesmo esse poder de fosforescer. Não tenho gatos, mas cachorros que são mestres. Iluminados.
    Bjos

    ResponderExcluir
  6. Francisco, acho que eles não pensam que são gente (foi uma maneira de dizer, não?). Penso que eles tem sensibilidade, sentimentos, afeiçoam-se ou rejeitam pessoas, tem amorosidade, ciúme, cuidado -à nossa semelhança. Um carinho pra Romeo e um abraço pro dono.

    ResponderExcluir
  7. Mme. S., gatos são mais que gatos... Você sabe.
    A foto tá legal,mesmo. Viva Fellini, Pat, Petit, Romeo, Aninha... e todos os bichanos do mundo. Bjs

    ResponderExcluir
  8. Tetê, obrigada pelas boas palavras... e pela repostagem do texto. Bjs

    ResponderExcluir
  9. Bar do Bardo/Pimenta doce, primeiro: adorei o nini... rsss...
    Mais um nominho dentre os muitos como me chamam.
    Sobre os gatos, e já que você admira os sábios orientais e conhece a maneira como eles (não)ensinam, digo: não precisa acreditar... tenha a experiência...
    O gato Pat sequer gosta de carne... Será que a ressonância mórfica age nele?... Há tanto que não sabemos... Um abraço de PatPaz.

    ResponderExcluir
  10. Maria Teresa, é preciso estar com o coração aberto pra poder 'receber' o que os bichos dizem com seus modos, olhares, silêncios, grunhidos, latidos,miados... Você tem o coração aberto, daí que percebe o que pode haver de magnífico num cachorro... Um beijo.

    ResponderExcluir
  11. Conheço quem fala mal de gatos: da bossa, do exibicionismo, das crises de ciúmes, querem ser mimados, só gostam do ambiente... Eu já joguei até partida de futebol com eles. Tenho cenas inesquecíveis. Gato regente, gato tocador, acrobata. Gato-gente. Abç

    ResponderExcluir
  12. eles tem individualidade, temperamento, qualquer coisa assim... Bons miados no seu telhado!

    ResponderExcluir
  13. passei por aqui niv

    pelas tuas sertanias

    belas como tuas postagens e foto

    e como a palavra sodoro

    ResponderExcluir

Escreva aqui na parede seu comentário. Venho ler depois.Obrigada.

Divulgue seu blog!
Informe o código: 956
Faça pontos, ganhe brindes