domingo, 18 de julho de 2010

era em azul














era em azul o lago
eram em azul as árvores
era em azul o tempo
era em azul o silêncio

era em azul depois a voz longínqua e perto
em azul era a grande solidão do mundo
em azul era minha presença sem corpo

era em azul

em azul acabado de nascer
era um azul como só pode ser o verdadeiro azul
era um azul sonorizado pela vastidão
era o azul de nenhum pintor

era um azul que por falta de outro nome
chamo de azul

era um azul respirante mas sem dor

era um azul que nunca verás...
nem eu acordada
a cor dada

10 comentários:

  1. Deus derrama vinho no azul da madrugada. Então bebamos a manhã! Lindo poema "a cor dada". Bjs

    ResponderExcluir
  2. Fiquei azul de êxtase!
    beijos, S.

    ResponderExcluir
  3. Mme. S.,
    Vi esse azul em sonhos...
    Beijo pra ti.

    ResponderExcluir
  4. Azul, porque é feminino e minha cor também.
    Supremo, Nivaldete.
    Abraço da cor do mar.

    ResponderExcluir
  5. Paulo, foi divino ver, dormindo, esse azul.
    Um abraço em azul pra você também.
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  6. Nivaldete:
    Você inundou-nos desse azul introspectivo e puro! Azul ventura!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Maria Teresa,
    Que bom que transbordou!... Partilhar sempre faz bem, mesmo o intangível.
    Beijos pra ti.

    ResponderExcluir
  8. "A verdadeira pessoa não é ninguém em particular; mas tal como a profunda cor azul do céu sem limites, é toda a gente, em toda a parte do mundo."
    Dogen Zenji
    (((abraço)))

    ResponderExcluir

Escreva aqui na parede seu comentário. Venho ler depois.Obrigada.

Divulgue seu blog!
Informe o código: 956
Faça pontos, ganhe brindes