domingo, 29 de agosto de 2010

pela claridade

Pela claridade
estou pela claridade

essa é a minha festa
e qualquer pano serve
qualquer flor dissolve qualquer bijuteria
dispensados castiçais e vinho

bebo na vasilha das mãos 
água
essa água
que faz na garganta 
um primitivo som,

o do primeiro gole
na primeira sede
no primeiro sol
no primeiro trepidar
sobre o mundo

no primeiro g-rito
no primeiro estalo da primeira dor
no primeiro fogo que acendeu meus pés
no primeiro deserto que me lavou das multidões
no primeiro erro mastigado na saliva do "por quê?"
na primeira acetona sobre o corte do primeiro engano
no primeiro e permanente não-saber
na primeira santidade que a ternura deu

Pela claridade
estou pela claridade

14 comentários:

  1. Nivaldete:
    Essa claridade benéfica e benfazeja irradia frescor para nossa sede sedenta de poesia iluminada.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Que sensibilidade, Maria Teresa! Que bela recepção! Obrigada, beijos.

    ResponderExcluir
  3. beber na vasilha das mãos... eis aí uma metáfora física que faz valer a pena por toda a semana da gente.

    não vou falar mais nada para não estragar seu lindo poema que me alvoreceu os dias que ainda nem chegaram.
    beijos Sheyla

    ResponderExcluir
  4. Sem palavras fico eu, Sheyla, lendo as suas. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Outras correntezas cristalinas, brancas de aurora, alma luzente. Belas imagens: mãos/conchas, riacho gutural, gargalhar das águas. Repenso "o corte do primeiro engano".

    ResponderExcluir
  6. Pela claridade dos meus olhos, faço das palavras de Sheyla as minhas palavras.
    Poético ao extremo o "bebo na vasilha das mãos".
    Semana ganha e não quero acordo.
    Ótimo passar aqui, Nivaldete.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Paulo Jorge, fico comovida por essa partilha tão rica. Estou mesmo apaixonada pela claridade, e tanto, que até o blog clareou. Muito obrigada. Um abraçoluz.

    ResponderExcluir
  8. A luz deixa na alma toda a claridade das manhãs...
    Gostei do poema.
    beijos.

    ResponderExcluir
  9. Bem-vinda, Graça! Obrigada pela visita. beijos.

    ResponderExcluir
  10. Lindo, Nivaldete!
    Adorei o seu poema!
    Aliás, adorei o blog como um todo...
    Virei sempre!!!
    Abraço

    ResponderExcluir
  11. Boa surpresa, Zélia! Obrigada, volte sempre, mesmo. Um abraço.

    ResponderExcluir

Escreva aqui na parede seu comentário. Venho ler depois.Obrigada.

Divulgue seu blog!
Informe o código: 956
Faça pontos, ganhe brindes