terça-feira, 10 de agosto de 2010

toda uma casa se contorce






Toda uma casa se contorce
canta, dança
beija a rua
sorri, se desmagoa
cria cetim nas paredes

vira barco se preciso
ou põe asas à janela
cambalhota, silencia

se não há, inventa vento
diz ao telhado: assovia!
em três partes cresce um terço
quando entra nela



um berço...


seja de vime ou madeira
seja rede ou puro (a)braço.





---------------
Imagem: http://aimagemdapaisagem.nireblog.com/post/2009/05/29/271-andorinhas-no-ninho

12 comentários:

  1. Muito bom isso! Casa que se contorce outro afluente da vida.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. A Niva-Neta Já vem assim: sob poesia.
    Mas é que não há jeito melhor de vir senão como quem encanta a avó para lhe mostrar que Deus ainda encontra maneiras de mais maravilhar em um segundo do que conseguiu em toda vida.
    Parabéns, amiga.
    Lycurgo

    ResponderExcluir
  3. belo poema, ni.lírico, inventivo e torcido como uma flor colhida.guardei-o no bolso esquerdo do meu paletó alheio.

    ResponderExcluir
  4. MARCANTONIO, você acrescentou sua voz ao poema. Obrigada.


    LYCURGO, bela a sua reflexão. Obrigada.

    ResponderExcluir
  5. ANÔNIMO, guardo suas palavras no bolso esquerdo da minha blusa alheia. Comovida sempre.

    ResponderExcluir
  6. Pássaro é mestre de obra: desenha, cava, cimenta, reboca o ninho, a toca. É a voz da construção... Mais outra bonita invenção. Bjs

    ResponderExcluir
  7. Você entende de pássaro e de poesia. Obrigada, Borges. Um abraço.

    ResponderExcluir
  8. Bela construção poética, Nivaldete, inspirada na obra do joão-de-barro.
    Outros "empreendimentos" sejam erguidos em nome da poesia.
    Abraço forte.

    ResponderExcluir
  9. meu canto predileto desse poema: "põe asas à janela".

    ResponderExcluir
  10. Obrigada, Paulo, pelas boas palavras. Um grande abraço!


    Mme. S., tome conta das asas e da janela... Beijo pra você.

    ResponderExcluir
  11. Nivaldete:
    A criação do berço pelas palavras comoveu. "De vime ou madeira, rede ou puro (a)braço" - assim, não há vida que não fique seduzida; já nasce envolvida de carinho e de calor. É a poesia parafraseando a expectativa do que ainda não chegou. Lindo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Maria Teresa, lindo também é ver tão boas leituras.
    Obrigada. beijos.

    ResponderExcluir

Escreva aqui na parede seu comentário. Venho ler depois.Obrigada.

Divulgue seu blog!
Informe o código: 956
Faça pontos, ganhe brindes